Economia criativa como estratégia no desenvolvimento de negócios

Autores

  • Henrique Cesar Nanni Faculdade de Tecnologia de Praia Grande
  • Laís Alves Santos

Palavras-chave:

Economia Criativa, Capital Intelectual

Resumo

As características e comportamentos do empreendedor já são diferenciados, principalmente, quando comparados a indivíduos normais. A criatividade e a inovação são fatores intrínsecos desse profissional. A Economia Criativa é um termo para nomear o sistema de gestão ou modelo de negócios adotado pelo gestor para desenvolver produtos e/ou serviços a partir da interface entre o conhecimento e capital intelectual no processo econômico, com vistas à geração de emprego e renda. Esse modelo é uma das vertentes que mais cresce, destacando-se como o grande motor do desenvolvimento econômico mundial. O objetivo da pesquisa é trazer informações históricas sobre esse setor da economia, assim como, sua relação com o empreendedorismo brasileiro. O estudo fundamentou-se na pesquisa exploratória em conjunto com as análises mercadológicas e estudos de casos, evidenciando sobre o assunto de forma conceitual e qualitativa. Apesar do tema ser recente, muitos setores da economia vêm fomentando esse conceito entre seus colaboradores. No entanto, ficou evidente, que o perfil empreendedor é essencial para o sucesso desse processo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALENCAR, E.S. A gerência da criatividade.1ª ed. São Paulo: Pearson,1996.

ALVES, M. Brasil é o primeiro em ranking de empreendedorismo. Revista Exame, 2015. Disponível em: <http://exame.abril.com .br/pme/noticias/brasil-e-o-primeiro-em-ranking-de-empreendedorismo>. Acesso em: 24 nov. 2015.

BARRETO, P. História – dinheiro não é vendaval. Revista: Desafios do Desenvolvimento - Edº 53: Brasília, 2009. Disponível em: <http://www.ipea.gov.br/desafios/ index.php?option=com_content&view=article&id=2274:catid=28&Itemid=23>. Acesso em: 14 ago. 2015.

CARVALHO, J. M. A educação para a economia criativa. Rio de Janeiro: Centro de Ciências e Educação Superior a Distância do Estado, 2012. Disponível em: <http://www.educacaopublica.rj.gov.br/biblioteca/educacao/0328.html>. Acesso em: 31 out. 2015.

CONDE, G. A. Multiderazgo creativo. Santiago da Compostela: Master Internacional Creatividad, 1995.

DOW, S. C. Axioms and Babylonian thought: a reply. Journal of post keynesian economics. Pág. 385-391. Publicação: 08 Dez 2014. Disponível em: <http://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/01603477.2005.11051453>. Acesso em: 21 out. 2015.

DRUCKER, P. Sociedade pós capitalista. São Paulo: Thomson Pioneira, 2002.

FIRJAN. Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro - FIRJAN. Mapeamento da indústria criativa no brasil. 1ª ed. Rio de Janeiro: 2014. Disponível em: <http://publicacoes.firjan.org.br/economiacriativa/mapeamento2014/>. Acesso em: 05 Fev. 2015.

FLORIDA, R. A ascensão da classe criativa – e seu papel na transformação do trabalho, do lazer, da comunidade do cotidiano. Porto Alegre: L&PM Editores, 2011.

GIL, A.C. como elaborar projetos de pesquisa. 4ª ed. São Paulo: Atlas, 2002. Disponível em: <https://www.academia.edu/4405328/GIL_Antonio_Carlos_como_elaborar_projetos_de_pesquisa_copia>. Acesso em: 04 jul. 2015.

GIL, M. A. Economia criativa é saída para o desemprego, diz especialista. Revista Pequenas Empresas & Grandes Negócios. Brasil, 07 dez. 2015. Disponível em: <http://revistapegn.globo.com/Empreendedorismo/noticia/2015/12/economia-criativa-e-saida-para-o-desemprego-diz-especialista.html>. Acesso em: 24 ago. 2017.

GRAEBER, D. Debt: the first 5,000 years. New York: Melville House. 2011.

HOLANDA, F. Criatividade e inovação: O verdadeiro diferencial das empresas. Artigo: Portal da Educação, 2008. Disponível em: <http://www.portaleducacao.com.br /administracao/artigos/3395/criatividade-e-inovacao-o-verdadeiro-diferencial-das-empresas#ixzz3maTjnzot>. Acesso em: 19 set. 2015.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE. Noções básicas de cartografia. IBGE, 2015. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/home/

geociencias/cartografia/manual_nocoes/elementos_representacao.html>. Acesso em: 10 out. 2015.

LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. A. Fundamentos de metodologia científica. 5ª ed. São Paulo: Atlas 2003. Disponível em: <https://docente.ifrn.edu.br /olivianeta/disciplinas/copy_of_historia-i/historia-ii/china-e-india>. Acesso em: 04 Jul. 2015.

LANDES, D. S. The unbound prometheus: technological change and industrial development in Western Europe from 1750 to the present. Cambridge University Press, 2003. Acesso em: 20 out 2015.

MINAYO, M. C. S. Pesquisa social: Teoria, método e criatividade. 18ª ed. Petrópolis: Vozes, 2001. Disponível em: <http://www.faed.udesc.br/arquivos/id_submenu/1428/minayo __2001.pdf >. Acesso em: 26 set. 2015.

ONU. Organização das Nações Unidas – ONU. Relatório de economia criativa: Uma opção de desenvolvimento viável. Conferência das Nações Unidas para o Comércio e o Desenvolvimento – UNCTAD: 2010. Disponível em: <http://unctad.org/pt/docs/ditctab20103_pt.pdf>. Acesso em: 14 jul. 2015.

PNUD. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento - PNUD. Economias criativas resistem mais a crises. Assessoria de Comunicação do Governo da Bahia, 2011. Disponível em: <http://www.pnud.org.br/Noticia.aspx?id=2496>. Acesso em: 07 out. 2015.

POSSAS, M.S. os economistas: Joseph Alois Schumpeter. São Paulo: Editora Nova Cultural, 1997. Disponível em: < http://www.soniabarroso.pro.br/graduacao/schumpetertde .pdf >. Acesso em: 10 set. 2015.

REVISTA C&S nº 42. Economia criativa desponta e aquece o mercado de trabalho. São Paulo, fev. 2016. Disponível em: http://www.fecomercio.com.br/CMS-Site/Files/Uploads/5/2016-02-17/14375.pdf. Acesso em: 24 ago. 2017.

REVISTA HSM. A economia criativa poderia nos libertar. Site da Revista HSM, 22 ago. 2016. Disponível em: http://www.revistahsm.com.br/estrategia-e-execucao/economia-criativa-poderia-nos-libertar/>. Acesso em: 26 ago. 2017.

REIS, A. C. F. Cidades criativas: Da Teoria à prática. São Paulo: Editora Sesi-SP, 2012.

ROSSETTI, J. P. Introdução a economia. São Paulo: Atlas, 2003.

SANTOS, J. A. O capital intelectual nas organizações. Rio de Janeiro: Universidade Veiga de Almeida, 2007. Disponível em: <https://www.uva.br/sites/all/themes /uva/files/pdf/monografia_o_capital_intectual_organizacoes.pdf>. Acesso em: 25 out. 2015.

SCHEIDEL, W. et al. The Cambridge economic history of the greco-roman world. Cambridge University Press. 2013.

SEBRAE. Serviço Brasileiro de Apoio a Micro e Pequenas Empresas - SEBRAE. Economia criativa do rio de janeiro e as mpe: Boletim quadrimestral. Rio de Janeiro: SEBRAE, 2012. Disponível em: < http://www.sebrae.com.br/Sebrae /Portal% 20Sebrae/UFs/RJ/Menu% 20Institucional/Sebrae_SET_nov12_ec_crtv.pdf>. Acesso em: 10 nov. 2015.

SEBRAE. Serviço Brasileiro de Apoio a Micro e Pequenas Empresas - SEBRAE. O que é economia criativa: Conceito. Publicação: 2015. Disponível em: <http://www.sebrae.com.br/sites/PortalSebrae/artigos/O-que-%C3%A9-Economia-Criativa>. Acesso em: 14 jul. 2015.

SERASA EXPERIAN. Quantidade de novas empresas abertas no brasil cresce 1,4% em 2014. São Paulo: 2015. Disponível em: <http://noticias.serasaexperian.com.br/24715/>. Acesso em: 16 jul. 2015.

UNESCO. Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura - UNESCO. Rede de cidades criativas. França, 2015. Disponível: <http://en.unesco.org/creative-cities/>. Acesso em: 05 mar. 2017.

Publicado

2018-10-01

Como Citar

NANNI, H. C.; SANTOS, L. A. Economia criativa como estratégia no desenvolvimento de negócios. Revista Processando o Saber, v. 10, n. 1, p. 93-112, 1 out. 2018.

Edição

Seção

Tecnologia em Gestão Empresarial