Avaliação comparativa da atividade antimicrobiana de óleo de alecrim (rosmarinus officinalis) e conservantes químicos utilizados em bases cosméticas

Autores

  • Janara Camargo Matos Faculdade de Tecnologia de Praia Grande
  • Nina Rosa Santos Cruz Faculdade de Tecnologia de Praia Grande

Palavras-chave:

Conservantes, Óleos essenciais, Atividade antimicrobiana

Resumo

A contaminação microbiana tem sido um dos problemas mais importantes da indústria cosmética, uma vez que pode abrigar microrganismos potencialmente patogênicos à saúde humana. A escolha das substâncias com atividade antimicrobiana que serão incorporadas aos cosméticos para prevenir a contaminação deve ser feita de forma criteriosa, em concentrações adequadas que garantam eficácia e segurança. Os conservantes químicos disponíveis no mercado apresentam, sem exceção, algum risco de hipersensibilidade e, por isso esforços têm sido direcionados para o desenvolvimento de compostos naturais com atividade antimicrobiana com o propósito de reduzir ou substituir conservantes químicos tradicionais. Os óleos essenciais transformaram-se em géis, cremes, loções e hoje, estudos demonstram o seu possível uso como agentes conservantes naturais. Este trabalho tem o objetivo de verificar se o óleo de alecrim (Rosmarinus officinalis) é eficaz como conservante para bases cosméticas comparado aos conservantes químicos metil e propil parabenos. O método utilizado foi o teste de difusão em ágar onde utilizaram-se diferentes concentrações dos conservantes contra a bactéria Escherichia coli e o fungo Candida albicans. Os resultados indicaram que o óleo essencial de alecrim apresenta potencial intermediário de atividade bacteriostática, uma vez que produziu halos de inibição, porém menores do que os produzidos pelos parabenos. A pesquisa apresentou resultados importantes, embora sejam necessários estudos mais detalhados sobre rendimento, custo de produção e desempenho com outras concentrações desse óleo, para elucidar sua verdadeira bioatividade, seu potencial terapêutico e sua utilidade clínica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABIHPEC. Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos. Estudo de Mercado no setor de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos. maio, 2013. Disponível em: <http://www.abihpec.org.br/> Acesso em: 27.set.2013.

AMARAL, L.F.B. Avaliação da eficácia antimicrobiana do monoéster de C-8 xilitol como alternativa conservante para produtos cosméticos. 2010. 180 f. Dissertação apresentada como requisito parcial para a obtenção do título de Mestre em Ciências Médicas pelo Programa de Pós-Graduação em Ciências Médicas - Universidade Estadual de Campinas, SP, 2010. Disponível em: http://www.bibliotecadigital.unicamp.br/document/?code=000781046. Acesso em: 27 set. 2013.

AMARAL, M.P.H.; VILELA, M.A.P. Controle de Qualidade na Farmácia de Manipulação. 2.ed. Juiz de Fora: UFJF, 2003.

ANVISA. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Guia para avaliação de segurança de produtos cosméticos. Brasília: ANVISA, 2003. Disponível em: <https://www.anvisa.gov.br/cosmeticos/guia/guia_cosmeticos_final_2.pdf>. Acesso em: 30 set. 2013.

ANVISA. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Descrição dos meios de cultura empregados nos exames microbiológicos. Módulo IV. Brasília: ANVISA, 2004. Disponível em: <http://www.anvisa.gov.br/servicosaude/microbiologia/mod_4_2004.pdf>. Acesso em: 02.nov.2014.

ARAUJO, A.C.R. Avaliação da qualidade microbiana de sabonetes comercializados em feiras de artesanato de Brasília. 2013. 86 f. Dissertação apresentada como requisito parcial para a obtenção do título de Mestre em Ciências da Saúde pelo Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde - Universidade de Brasília, DF, 2013. Disponível em: . Acesso em: 27.set.2013.

ARTUS, G. et al. Dermatite de contato alérgica: prevalência dos agentes sensibilizantes em amostra de Porto Alegre, Brasil. Revista da AMRIGS, Porto Alegre, n55 p. 155-159, abr.-jun. 2011. Disponível em: <http://vidasolidaria.org.br/revista/55-02/015-PG_155 159_787_dermatite%20de%20contato....pdf>. Acesso em: 26.ago.2013.

BAI N.; HE K.; ROLLER M.; LAI C.; SHAO X.; PAN M.; HO C. Flavonoids and Phenolic Compounds from Rosmarinus officinalis. J. Agric. Food Chem., v. 58, n. 9, p. 5363-5367, 2010.

BATISTUZZO, J.A.O.; ITAYA, M.; ETO, Y. Formulário médico farmacêutico. 2 ed. São Paulo: Tecnopress, 2002.

BOTSARIS, A.S. Fitoterapia Chinesa e Plantas Brasileiras. São Paulo: Ícone, 1995.

BRASIL. Ministério da Saúde, Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução RDC nº 162 de 18 de agosto de 1997. Aprova a lista de conservantes permitidos para produtos de higiene pessoal, cosméticos e perfumes. Diário Oficial da república federativa do Brasil, poder Executivo, Brasília, DF.

BRASIL. Ministério da Saúde, Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução RDC nº 481, de 23 de setembro de 1999. Parâmetros para Controle Microbiológico de Produtos de Higiene Pessoal, Cosméticos e Perfumes. Disponível em: <http://elegis.anvisa.gov.br/leisref/public/showAct.php?id=259>. Acesso em: 30.set. 2013.

BRASIL. Ministério da Saúde, Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução RDC nº 33, de 19 de abril de 2000. Aprova o regulamento técnico que institui as boas práticas de manipulação em farmácias. Diário Oficial da república federativa do Brasil, poder Executivo, Brasília, DF.

BRASIL. Agência Nacional de Vigilância sanitária. RDC nº 67 de 8 de outubro de 2007. Aprova o regulamento técnico sobre Boas Práticas de Manipulação de medicamentos em farmácias e seus anexos. Diário Oficial da república federativa do Brasil, poder Executivo, Brasília, DF.

BRASIL. Agência Nacional de Vigilância sanitária. RDC nº 17 de abril de 2010. Dispõe sobre as Boas Práticas de Fabricação de Medicamentos. Diário Oficial da república federativa do Brasil, poder Executivo, Brasília, DF.

BRASIL. Ministério da Saúde, Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução RDC nº 29, de 1º de junho de 2012 Aprova o Regulamento Técnico Mercosul sobre Conservante permitidas para Produtos de Higiene Pessoal, Cosméticos e Perfumes” e dá outras providências. Disponível em: . Acesso em: 02.set.2013.

BRASIL. Ministério da Saúde. Farmacopeia Brasileira. 4. ed., parte 1. Brasília, 1988. Disponível em: <http://www.anvisa.gov.br/hotsite/farmacopeiabrasileira/publicacoes/4_ edicao/parte1/4_edicao_part1.pdf>. Acesso em: 30.set.2013.

BRAZILIENSE, Correio. Mercado de cosméticos brasileiro é o segundo no ranking global, maio 2013. Disponível em: <http://www.correiobraziliense.com.br/ app/noticia/economia/2013/05/26/internas_economia,367965/mercado-de-cosmeticos-brasileiro-e-o-segundo-no-ranking-global.shtml>. Acesso em: 19.out.2013.

CPT. Centro de Produções Técnicas. Medicina natural – Alecrim (Rosmarinus officinalis) março, 2018. Disponível em: <https://www.cpt.com.br/cursos-plantasmedicinais/artigos/ medicina-natural-alecrim-rosmarinus-officinalis>. Acesso em: 10.mar.2018.

CFF. Conselho Federal de Farmácia. Manipulação de remédios vem registrando expansão, setembro, 2013. Disponível em: <http://www.cff.org.br/noticia.php?id=1280>. Acesso em: 11.mar.2014.

CORDEIRO, C.F. Controle de qualidade microbiológico de produtos farmacêuticos e

cosméticos. Disponível em: < http://propesq.ufjf.br/seminario/CDSEMINARIO2003/

grad/ resumos/proj130.htm>. Acesso em: 25.ago.2013.

FIRMINO, C.R. et al. Avaliação da qualidade de bases farmacêuticas manipuladas no município de Jundiaí – SP. Revista Multidisciplinar da Saúde. ano III, n. 05. 2011. Disponível em: <http://www.anchieta.br/Unianchieta/revistas/saudeemfoco/pdf/ RevistaMultidisciplinardaSaude_05.pdf#page=2>. Acesso em: 14.out.2013.

MARCHIORI, V. F. Rosmarinus officinalis. Monografia de conclusão de curso on-line da Associação Argentina de Fitomedicina. Fundação Herbarium. Julho / 2004. Disponível em: <http://fitomedicina.org/old/archivos/rosmarinus_officinalis_romero___monografia.pdf>. Acesso em: 10.out.2013.

MULLER, J. J. Análise bacteriológica de cosméticos produzidos em farmácias de manipulação e provadores cosméticos de uma farmácia de dispensação da cidade de Blumenau. 2008. 59f. Trabalho de Conclusão de Curso apresentado para Avaliação no Curso de Farmácia do Centro de Ciências da Saúde - Universidade Regional de Blumenau, Blumenal. Disponível em: <http://www.bc.furb.br/docs/MO/2008/330149_1_1.pdf>. Acesso em: 27.set.2013.

NASCIMENTO, P.F.C. et al. Atividade antimicrobiana dos óleos essenciais: uma abordagem multifatorial dos métodos. Revista Brasileira de Farmacognosia - Brazilian Journal of Pharmacognosy, p. 108-113, Jan./Mar. 2007. Disponível em: <http://www.scielo.br/ pdf/rbfar/v17n1/a20v17n1.pdf>. Acesso em: 30.ago.2013.

OLIVEIRA, F.; AKISUE, G. Fundamentos de Farmacobotânica. 2.ed, São Paulo: Atheneu, 2005.

PACKER, Janaina F.; LUZ, Marisa M.S. da. Método para avaliação e pesquisa da atividade antimicrobiana de produtos de origem natural. Revista Brasileira de Farmacognosia - Brazilian Journal of Pharmacognosy. p. 102-107, Jan./Mar. 2007. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rbfar/v17n1/a19v17n1.pdf>. Acesso em: 27.ago.2013.

SEBRAE. Estudos de mercado /ESPM. Cosméticos à base de produtos naturais Relatório Completo 2008. Disponível em: <http://bis.sebrae.com.br/GestorRepositorio/ ARQUIVOS_CHRONUS/bds/bds.nsf/F52BEDF31ED68D4A83257553006FC5A3/$File/NT0003DCE6.pdf>. Acesso em: 02.out.2013.

SILVA, A.V.A. et al. Presença de excipientes com potencial para indução de reações adversas em medicamentos comercializados no Brasil. Revista Brasileira Ciências Farmacêuticas. São Paulo, v. 44, n. 3, July/Sept. 2008. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1516-93322008000300009&script=sci_arttext>. Acesso em: 27.ago.2013.

TRABULSI, L. R.; ALTERTHUM, F. Microbiologia. 3.ed. São Paulo: Atheneu, 2008.

VETLAB. VetLab Medicina Laboratorial Veterinária. Disponível em: <http://vetlaboratorio.blogspot.com.br/2012/11/nos-ultimos-anos-diversos-autores-tem.html>. Acesso em: 27 set. 2013.

Publicado

2019-10-01

Como Citar

MATOS, J. C.; CRUZ, N. R. S. Avaliação comparativa da atividade antimicrobiana de óleo de alecrim (rosmarinus officinalis) e conservantes químicos utilizados em bases cosméticas. Revista Processando o Saber, v. 11, n. 1, p. 01-20, 1 out. 2019.

Edição

Seção

Tecnologia em Processos Químicos