Violência contra mulher na ficção televisiva

tabus femininos em novelas da TV Globo

Autores

Palavras-chave:

Mulher, Ficção audiovisual, Representação, Novela

Resumo

Compreendendo a importância da questão da violência contra a mulher em tempos de crise global, o objetivo deste artigo é analisar como as questões do universo feminino estão representadas na novela brasileira e em seu contexto histórico-cultural. A pesquisa se concentra nas contribuições da TV Globo para o catálogo de ficção audiovisual do país, por sua abrangência e audiência. Após revisar o estado da arte sobre o conceito de representação social (Durkheim, 1895, 1912; Hall, 2016; Foucault, 1980) e sua relação com as imagens de mulheres (Beauvoir, 1949), faz-se uma cronologia dos avanços vivenciados pelas mulheres brasileiras, como o direito ao divórcio e a legislação sobre violência doméstica, narradas ao serem abordadas em novelas.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Valmir Moratelli, PUC-Rio

Doutor em Comunicação do PPGCOM da PUC-Rio

Mariana Dias, PUC-Rio

Doutora em Comunicação pelo PPGCOM da PUC-Rio

Thais Cabral, PUC-Rio

Doutoranda do PPGCOM da PUC-Rio

Referências

ALMEIDA, Heloísa Buarque de. Trocando em miúdos: Gênero e sexualidade na TV a partir de Malu Mulher. Revista Brasileira de Ciências Sociais. Vol. 27 n° 79 junho/2012.

BEAUVOIR, Simone de. O segundo sexo. São Paulo: Difusão Européia, [1949] 1967.

BIROLI, Flávia; MIGUEL, Luis Felipe. Feminismo e política. São Paulo: Boitempo, 2014.

BLAY, Eva Alterman; AVELAR, Lúcia. 50 anos de feminismo: Argentina, Brasil e Chile. São Paulo: Edusp, Fapesp, 2017.

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil. 1999.

CASHMORE, Ellis. ...E a televisão se fez. São Paulo: Sumus Editorial. 1998.

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA. Lei Maria da Penha. Disponível em: https://www.cnj.jus.br/lei-maria-da-penha/. Acesso em: 08/08/2020.

DATAFOLHA, FBSP. Visível e invisível: a vitimização de mulheres no Brasil. Online, 2019. Disponível em: http://www.iff.fiocruz.br/pdf/relatorio-pesquisa-2019-v6.pdf. Acesso em: 18/10/2020.

DURKHEIM, Émile. As regras do método sociológico. São Paulo: Companhia Editora Nacional, [1895] 1987.

___________. “Representações individuais e representações coletivas”. In: DURKHEIM, Émile. Sociologia e filosofia. São Paulo, SP: Companhia Editora Forense, [1898] 1970.

__________. As formas elementares da vida religiosa: o sistema totêmico na Austrália. SP: Martins Fontes, [1912] 2009.

FABIANO, Eulália. A Questão da dominação e o uso de estereótipos de gênero. Revista do Centro Universitário Moura Lacerda. Ribeirão Preto (SP): Ano 16, nº.16. 2014.

FILHO, Fernando Pinheiro. A noção de representação em Durkheim. Lua Nova: revista de cultura e política, São Paulo, no 61, p.139-155, 2004.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade I - A vontade de saber. Rio de Janeiro: Edições Graal, 2º Edição. 1979.

__________. Microfísica do Poder. Rio de Janeiro, RJ: Graal, [1978] 2014.

FRIEDAN, Betty. Mística feminina. Petrópolis, RJ: Vozes, [1963] 1971.

FBSP. Anuário Brasileiro de Segurança Pública. Online, 2019. Disponível em: https://forumseguranca.org.br/wp-content/uploads/2019/10/Anuario-2019-FINAL_21.10.19.pdf. Acesso em: 18/08/2020.

GLOBO. Globo celebra alcance de mais de 100 milhões por dia. In: globo.com, online. Disponibleen: https://redeglobo.globo.com/novidades/noticia/globo-celebra-alcance-de-mais-de-100-milhoes-de-pessoas-por-dia.ghtml. Accesoen: 08/10/2020.

GUÉRIOS, R. P. Mansur. Tabus linguísticos. Paraná: UFPR. Revista Letras, 1955.

HALL, Stuart; WOODWARD, Kathryn. “Identidade e Diferença”. In: A perspectiva dos Estudos Culturais. Tradução: Tomaz Tadeu da Silva. Editora Vozes. 2003

___________. Cultura e representação. Rio de Janeiro, RJ: Ed. PUC-Rio: Apicuri, 2016.

HAMBURGER, Esther. “A expansão do feminino no espaço público brasileiro”. In: Estudos Feministas, Florianópolis. Pag. 153-175, janeiro-abril/2007.

ITUASSU, Arthur. “Apresentação”. In: Cultura e representação. Rio de Janeiro, RJ: Ed. PUC-Rio: Apicuri, 2016.

LATTMAN-WELTMAN, Fernando. “Televisão”. In: O Brasil de JK. Acesso em: https://cpdoc.fgv.br/producao/dossies/JK/artigos/Sociedade/Televisao. Acesso em: 08/12/2020.

LAURETIS, Teresa de. “A tecnologia do gênero”. Tradução de Suzana Funck. In: HOLLANDA, Heloísa Buarque de. (Org.). Tendências e Impasses: o feminismo como crítica da cultura. Rio de Janeiro: Rocco, 1994. p. 206-242.

LUKES, Steven. “Bases para a interpretação de Durkheim”. In: Sociologia: para ler os clássicos. Rio de Janeiro, RJ: Azougue Editorial, 2005.

MARTHE, Marcelo; BERGAMASCO, Daniel. O Poder Fulminante. Reportagem da Revista Veja. Publicada em 15/11/2017.

MELLO, João Manuel Cardoso de; NOVAIS, Fernando A. “Capitalismo tardio e sociabilidade moderna”. In: NOVAIS, Fernando A. et al. Histórias da vida privada no Brasil 4. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

MORATELLI, Valmir. Lésbica é a vovozinha!: análises de narrativas de exceção na teledramaturgia. In: CONGRESSO BRASILEIRO DAS CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, 42º, 2019, Belém, PA. Anais... Belém: Universidade Federal do Pará, 2019, p.1-15. Disponível em: https://portalintercom.org.br/anais/nacional2019/resumos/R14-0218-1.pdf. Acesso em: 10/08/2020.

___________. O que as telenovelas exibem enquanto o mundo se transforma. Rio de Janeiro: Autografia. 2019.

MOSCOVICI, Serge. A representação social da psicanálise. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1978 [1961].

PERROT, Michelle. Minha história das mulheres. São Paulo: Editora Contexto, 2017.

PRIORI, Mary del (Org.). História das mulheres no Brasil. São Paulo: Editora Contexto, [1997] 2018.

___________. Histórias e conversas de mulher: amor, sexo, casamento e trabalho em mais de 200 anos de histórias. São Paulo, SP: Ed. Planeta Brasil Ltda., 2017.

WILLEMS, Emilio (org.). Dicionário de Sociologia. São Paulo: Editora Globo, 1950.

Publicado

2023-06-06

Como Citar

MORATELLI, V.; DIAS, M.; CABRAL, T. Violência contra mulher na ficção televisiva: tabus femininos em novelas da TV Globo. Revista Processando o Saber, v. 15, n. 01, p. 16-31, 6 jun. 2023.